As 10 lendas mais conhecidas do Folclore Brasileiro


Está chegando Agosto, o mês do Folclore. Para nos prepararmos para este período fizemos um resumo das 10 principais lendas do nosso Folclore. 

Como há muita diferença de acordo com a região do Brasil, não estranhe se ela estiver um pouco diferente do que você conhece ou caso a sua favorita não esteja entre elas. Aproveite e compartilhe conosco, através da área de COMENTÁRIOS.

BOITATÁ - É uma gigantesca cobra-de-fogo que protege os campos contra aqueles que o incendeiam. Vive nas águas e pode se transformar também numa tora em brasa, queimando aqueles que põem fogo nas matas e florestas.

BOTO COR-DE-ROSA - Se transforma em um homem bonito e forte, que convida as moças para dançar e depois as seduz, mas o boto nunca tira o chapéu para esconder seu segredo, um buraco na cabeça por onde ele respira, ele também toma muito cuidado para ir embora das festas antes do amanhecer.

BUMBA-MEU-BOI - Um rico fazendeiro possui um boi muito bonito, que inclusive sabe dançar. Um trabalhador da fazenda, rouba o boi para satisfazer sua mulher Catarina, que está grávida e sente uma forte vontade de comer a língua do boi. O fazendeiro manda seus empregados procurarem o boi e quando o encontra, ele está doente. Os pajés curam a doença do boi. O fazendeiro celebra a saúde do boi com uma grande festividade.

CUCA - Ela é conhecida popularmente como uma velha feia na forma de jacaré com cabelos loiros, que rouba as crianças desobedientes. 

CURUPIRA - Ele é uma entidade das matas, um anão de cabelos compridos e vermelhos, cuja característica principal são os pés virados para trás. Ele solta assovios agudos para assustar e confundir caçadores e lenhadores, além de criar ilusões, até que os malfeitores se percam ou enlouqueçam, no meio da mata. Seus pés virados para trás servem para despistar os caçadores, que ao irem atrás das pegadas, vão na direção errada. 

IARA / SEREIA - Iara era uma índia guerreira, a melhor de sua tribo. Seus irmãos, com inveja, resolveram tentar matá-la. De noite quando Iara estava dormindo seus irmãos entraram em sua cabana, só que ela os ouviu e teve que matá-los para se defender. Como punição Iara foi jogada no rio. Os peixes a trouxeram à superfície e de noite a lua cheia a transformou em uma linda sereia.
O seu canto tem uma melodia irresistível. Os homens que a vêem não conseguem resistir a seus desejos e pulam nas águas e ela então os leva para o fundo. Quase nunca voltam vivos. 

LOBISOMEM - Diz a lenda que, quando uma mulher tem 7 filhas e o oitavo filho é homem, esse menino será um Lobisomem. Logo que ele completa 13 anos, a maldição começa.
Toda terça ou sexta-feira, ele corre pelas ruas ou estradas desertas. Nessa noite, ele visita 7 partes da região, 7 pátios de igreja, 7 vilas e 7 encruzilhadas. Por onde passa, açoita os cachorros e apaga as luzes das ruas e das casas, enquanto uiva de forma horripilante pro alto.
Antes do Sol nascer, o Lobisomem volta ao mesmo lugar de onde partiu e se transforma outra vez em homem.


MULA-SEM-CABEÇA - É uma forma de assombração de uma mulher que foi amaldiçoada  e condenada a se transformar em uma criatura descrita como tendo a forma de um equino sem a cabeça que cuspia fogo. Ela galopa pelo campo do entardecer de quinta-feira ao amanhecer de sexta-feira.

SACI - É um negro jovem de uma só perna, portador de uma carapuça sobre a cabeça que lhe confere poderes mágicos.
Considerado uma figura brincalhona, que se diverte com os animais e pessoas, fazendo pequenas travessuras que criam dificuldades domésticas, ou assustando viajantes noturnos com seus assobios - bastante agudos e impossíveis de serem localizados. Assim é que faz tranças nos cabelos dos animais, depois de deixá-los cansados com correrias; faz as cozinheiras queimarem as comidas; ou aos viajadores se perderem nas estradas.

VITÓRIA- RÉGIA - Naiá, uma índia, se apaixonou pela Lua. Ela tentava de todas as formas alcança-la, mas não conseguia. Em uma noite, a índia viu, nas águas límpidas de um lago, a figura da lua refletida. A pobre moça, imaginando que a lua havia chegado para buscá-la, se atirou nas águas profundas do lago e nunca mais foi vista.
A lua, quis recompensar o sacrifício da bela jovem, e resolveu transformá-la em uma Vitória Régia. Assim, nasceu uma planta cujas flores perfumadas e brancas só abrem à noite, e ao nascer do sol ficam rosadas.

Espero que tenham gostado.

Aproveite e conheça nossa linha voltada ao folclore:
- FANTOCHE FOLCLORE e LIVRO DE PANO "DO SACI À IARA"